e-Zap! Seu cantinho 'zap' na net

Qual é o melhor carro brasileiro para transformar em um Delorean DMC-12?

Nem Ferrari, nem Porsche: se eu ficasse milionário de uma hora para outra, o primeiro carro que compraria seria um Delorean DMC-12. Claro que ia comprar os outros depois, mas não ia perder a chande de ter um desses na minha garagem. Lá fora até custa barato – já vi um por US$ 14.000, mas nesse circo de pulgas que é o Brasil, importar um custaria bem caro – pelo menos três vezes mais. But... Wait! Por que importar se podemos fazer uma homenagem a ele usando modelos nacionais? Como? Por quanto?

Pois é, para os críticos de plantão, a questão é que é realmente impossível reproduzir um Delorean perfeito com o que temos aqui no Brasil.
E acho que só eu tenho essa fixação, porque demorei muito pra te encontrar, agora quero só você para perceber que nenhum site brasileiro conta a história de alguma peripécia envolvendo a construção de um Delorean. Então eu, visionário, decidi fazer este post no E-zap.net e no MDIG, para aumentar nossas visitas caso alguém quisesse saber sobre o assunto... ^^

Lembrando que:
A ideia aqui é falar de semelhanças e facilidades de tamanho e design. Exclui, portanto, projetos referentes à perfeição estética, bem como às portas asas de gaivota, mudanças no interior do carro, etc.

Caneta e papel na mão, vamos lá...

Historinha: o original
O DeLorean DMC-12 é um carro esportivo produzido inicialmente de 1981 a 1982 pela empresa automobilística norte-irlandesa DeLorean Motor Company. O DeLorean DMC-12 ganhou status principalmente por aparecer na trilogia de filmes de ficção científica De volta para o futuro.


Bom, a empresa pediu concordata em 1983, por causa de um escândalo envolvendo um suposto financiamento por drogas na produção dos carros. Isso há dois anos antes do filme De Volta Para o Futuro estrear no cinema. Ou seja, o carro ficou famoso quando nem era produzido mais.
Não são tão poucos exemplares pelo mundo à fora, mas no Brasil, por exemplo, dizem que existe apenas um. Então o remédio é pensar nas:

Possibilidades:
5. VW Passat TS, Pointer ou Village
Eu gosto só um pouquinho do Passat. Acho ele desengonçado. Mas era um carro de sucesso na época, e não é muito difícil encontrar um em bom estado, com valores entre 5.000 e 10.000 reais. 

Vantagens da construção:
O Passat tem a frente comprida e reta, além de faróis dianteiros duplos, como o DMC-12. Além disso, o comprimento dele, 4,26 metros, é exatamente o mesmo.

Desvantagens da construção:
Apesar do mesmo comprimento, o Passat é bem mais alto que o Delorean. É nessa parte que eu disse que acho ele desengonçado. O que vai ocorrer é que, apesar dos esforços, todo mundo que olhar seu Delorean Passat vai sempre lembrar mais do Passat do que do DMC-12. Se você não quer que isso aconteça, seria legal pensar em um:


4. Vw TL (ou alguma Wariant)
“Que tosco, esse carro nem lembra um Delorean!”, você deve estar pensando. Mas pense de novo! A TL eu já gosto um pouco mais do que o Passat. Eu acho que se o Delorean fosse da década de 70, seria parecido com ela. É um carro antigo, um pouco mais difícil de encontrar e com um preço que varia muito: entre 2.000 e 15.000 reais, dependendo do estado geral do carro. 

Vantagens da construção:
Mesmo sendo mais baixa que o Passat e mais alta que o Delorean, a TL também tem o comprimento igual (dependendo do ano), e além disso, o motor dela também é atrás. Por isso, a frente é bem mais baixa, na altura do eixo, o que traria semelhanças com o DMC-12.

Desvantagens da construção:
A TL é mais redondinha que o DMC. Embora a lateral fosse ficar legal, a frente e a traseira precisariam ser seriamente modificadas para o carro virar uma homenagem ao carro da Delorean.


3. Vw SP-2
Esse é bom! O SP2, um esportivo desenvolvido especialmente para o mercado interno brasileiro é um clássico da década de 70. Tirando os faróis de Brasília, é um carro que eu particularmente gostaria de ter. A faixa de preço varia muito, de 5.000 a 40.000 reais, também dependendo da conservação.

Vantagens da construção:
Mesma altura, mesmo comprimento, motor atrás. Modificações na traseira e na dianteira e pronto, temos um carrinho parecido com o Delorean.

Desvantagens da construção:
Bom, eu particularmente teria muita dó de transformar um carro clássico em outro. A SP2 sempre me chamou atenção do jeitinho que é.

 

2. VW Gol “Quadrado”
Ah, esse é meu favorito. Abra sua mente: o Gol chega a parecer mais com o Delorean do que o Passat, mesmo sem faróis duplos. É fácil de achar, tem boa mecânica e com até 10.000 dá pra conseguir um bem inteirinho.

 

Vantagens da construção:
O Gol lembra muito o VW Scirocco, que é usado lá fora para fazer réplicas de Delorean. Rebaixadinho, dá para deixar até parecido, sem mexer muito no carro. Ele vai continuar sendo um Gol, mas com faróis duplos ele lembra um Delorean, sim.

Desvantagens da construção:
Ele é mais alto e menos comprido que o DMC-12. Só isso.


1. Réplica em Fibra de Vidro
Agora, explicando o motivo de eu ter citado esses modelos, que num olhar mais crítico, não tem nada haver com o Delorean: uma empresa que produz réplicas certamente usaria o chassi de um deles para fazer um Delorean, caso não quisesse usar um chassi tubular. Embora eles sejam mais altos, mais baixos, mais largos ou até menores que o DMC-12, todos estes modelos seguem as mesmas linhas de tendência do fim da década de 70 e começo da década de 80, tornando-os conceitualmente parecidos – mais ou menos como acontece com os carros atuais (Celta, Pálio, Gol IV, etc).
Mas é claro que mesmo com todo esforço, eles não vão ficar idênticos a um Delorean. A única maneira de conseguir isso é encomendando uma réplica de fibra de vidro ou de massa (bem menos popular aqui no Brasil). 

Vantagens da construção:
Vai ficar idêntico. As réplicas são muito perfeitas.

Desvantagens da construção:
As empresas brasileiras de réplicas, como a Autosfibra, de Santa Catarina, ou a Chamonix, de... de... ah, esqueci de onde, são bem profissionais, e cobram por esse profissionalismo.
Talvez seja mais barato importar um DMC e deixar na garagem até juntar dinheiro para regulariza-lo.

Bom, essa era a ideia. Como disse no começo, não dá para fazer um Delorean perfeito sem recorrer aos kits.
Agora, se você quer uma máquina do tempo, pode construir em qualquer carro.
Eu já inventei a máquina do tempo. Só falta patentear. Ela não funciona, mas estou seguindo o exemplo dos irmãos Right: inventei primeiro, então mesmo que não funcione, vou ficar com os créditos. E Dumont que entenda! ^^

Texto escrito para o E-zap.net e o MDIG. Pode ser copiado, mas quem retirar os créditos é um afeminadinho.

Você é Inteligente?

Você é inteligente o bastante para assinar?

Lembrando que assinar é a prova mais prestigiada de inteligência pela comunidade científica.

(clique na imagem para ampliar)

Pérolas dos jogadores de futebol

São velhas, mas clássicas.


‘Tanto na minha vida futebolística quanto com a minha vida ser humana.’
(Nunes, ex-atacante do Flamengo, em uma entrevista antes do jogo de despedida do Zico)


‘Que interessante, aqui no Japão só tem carro importado.’
(Jardel, ex-atacante do Grêmio)


‘As pessoas querem que o Brasil vença e ganhe.’
(Dunga, em entrevista ao programa Terceiro Tempo)


‘Eu, o Paulo Nunes e o Dinho vamos fazer uma dupla sertaneja.’
(Jardel, ex-atacante do Grêmio)


‘A partir de agora o meu coração só tem uma cor: vermelho e preto.’
(Jogador Fabão, assim que chegou no Flamengo)


‘Tenho o maior orgulho de jogar na terra onde Cristo nasceu.’
(Claudiomiro, ex-meia do Inter de Porto Alegre, ao chegar em Belém do Pará para disputar uma partida contra o Paysandu, pelo Brasileirão de 72)


Numa final de Copa do Mundo, Galvão Bueno perguntou a Pelé, o que ele achava do jogo. Pelé respondeu:
“Uma das duas seleções vai ganhar o jogo!”.


‘Nem que eu tivesse dois pulmões eu alcançava essa bola.’
(Bradock, amigo de Romário, reclamando de um passe longo)


‘No México que é bom. Lá a gente recebe semanalmente de 15 em 15 dias.’
(Ferreira, ex-ponta esquerda do Santos)


‘Quando o jogo está a mil, minha naftalina sobe.’
(Jardel, ex-atacante do Vasco, Grêmio e da Seleção)


‘O meu clube estava a beira do precipício, mas tomou a decisão correta, deu um passo a frente.’
(João Pinto, jogador do Benfica de Portugal)


‘Na Bahia é todo mundo muito simpático. É um povo muito hospitalar.’
(Zanata, baiano, ex-lateral do Fluminense, ao comentar sobre a hospitalidade do povo baiano)


‘Jogador tem que ser completo como o pato, que é um bicho aquático e gramático.’
(Vicente Matheus, eterno presidente do Corinthians)


‘O difícil, como vocês sabem, não é fácil.’
(Vicente Matheus)


‘Haja o que hajar, o Corinthians vai ser campeão.’
(Vicente Matheus)


‘O Sócrates é invendável, inegociável e imprestável.’
(Vicente Matheus, ao recusar a oferta dos franceses)

Brincando com as capas de vinil

Realmente uma idéia muito legal. Percebi que o grupo abaixo se constitui de brasileiros. Gostaria de saber quem são, para colocar os devidos créditos aqui, pois as fotos foram muito bem feitas.